sábado, 24 de julho de 2010

Relatório diz que acidente no Golfo e na China foram ataques militares.

Por Myron Paterson / www.amalgamei.blogspot.com


Essa postagem abordará um relato , no qual diz que "o acidente no Golfo do México" e o "recente acidente de petróleo na China" não foram acidentes e sim ataques de inimigos políticos. 



O "
www.whatdoesitmean.com" é um site que, segundo eles, recebem informações sobre relatórios que circulam em , digamos , "meios secretos" e que são obtidos por intermédio de pessoas que teoricamente são infiltradas nesses pontos sigilosos.  


Claro que não vamos acreditar em tudo que escrevem e tomar nossas verdades a partir de um ponto de informação. Contudo vou relatar esse artigo do "
www.whatdoesitmean.com". 


Segundo o artigo publicado nessa Terça-Feira , dia 21.07.2010, as explosões que ocorreram na China no dia 19.07.10 foram causados por ataques dos Norte Americanos. Esse "afirmação" é feita através de um relatório que foi preparado para o presidente do governo da federação russa Vladimir Putin , por intermédio da
Inteligência Militar estrangeira. 


O relatório diz que a "Guerra Mundial" pode ser eminente, pois os Estados Unidos bombardearam dois oleodutos chineses. Esse Bombardeio foi feito para retalhar os chineses que , segundo o relatório, possuem aliança com os
Norte-Coreanos, seu aliado comunista. Os noticiários afirmam que as explosões nos oleodutos chineses foram causados por incêndio , veja: "ultimosegundo.ig.com.br". 


Mas qual foi o motivo do ataque dos Ianques á China , já que essa aliança com os Norte Coreanos é conhecida a um longo tempo? 



Agora vamos chegar no "X" da questão. Todos nós estamos envolvidos com a questão do "acidente" da BP no Golfo do México. Fontes e mais fontes dizem que está vazando petróleo até hoje e que a solução é bastante difícil. O motivo do acidente na Horizon Deepwater é meio obscurecido , não se sabe a verdadeira causa do acidente , existem apenas suposições.  



Um outro relatório , apresentado pelo "
www.whatdoesitmean.com - US Orders Blackout Over North Korean Torpedoing Of", no dia 01 de maio de 2010, diz que a explosão na plataforma da BP no Golfo foi causada por ataques de submarinos Norte Coreanos,e que os E.U.A ordenaram um apagão na mídia sobre o relato desse fato. A plataforma , segundo informações desse relatório, era propriedade de uma grande empreiteira de perfuração Transocean e que a construção foi financiada pela Hyundai Heavy Industries Co. Ltd da Coreia do Sul. 


Parte do Artigo do 
www.whatdoesitmean.com :


"Na noite do dia 20 de abril de 2010, um mini-submarino da Coréia do Norte tripulado por 17 soldados "suicidas" do Corpo Sniper atacou á Horizon Deepwater, com o que se pensa serem dois torpedos incendiários causando uma enorme explosão, resultando na morte de 11 trabalhadores nesta plataforma de petróleo. 



Escassas 48 horas depois, em 22 de abril de 2010, o Mini-submarino Norte Coreano cometeu sua última atrocidade explodindo-se diretamente abaixo da Horizon Deepwater causando bilhões em prejuízos, afundando a plataforma, e causando umas das maiores catástrofes ambientais que o mundo já viu". 



Voltando á China...
 


O acidente que aconteceu na China recentemente e que as autoridades locais estão limpando a área nesse exato momento,segundo o whatdoesitmean.com, através do relatório, diz que o acidente foi um ataque dos Estados Unidos e não incêndio.



No dia , 09.07.2010, saiu uma notícia em vários meios de comunicação, que um O.V.N.I parou um aeroporto na capital chinesa. É importante entender que O.V.N.I é uma sigla usada para, "OBJETOS VOADORES NÃO IDENTIFICADOS", e não se deve associar a fenômenos extraterrestres.  



Noticia - Fonte :
 noticias.terra.com.br : 


"China: ovni assusta cidade; governo diz haver conexão militar". 



Especialistas dizem que brilho foi causado por destroços de míssil americano Foto: Reprodução 

"Especialistas dizem que brilho foi causado por destroços de míssil americano" 



Um objeto voador não identificado (ovni) foi avistado nos céus da cidade de Hangzhou, capital da província chinesa de Zhejiang, na quarta-feira. O aeroporto Xiaoshan chegou a ser fechado e vários voos foram desviados. Contudo, especialistas afirmam que a luz foi causada pelos destroços de um míssil americano. As informações são do Daily MailSegundo a reportagem, testemunhas ficaram aturdidas e reportaram terem visto uma bola de fogo no céu parecida com um cometa. Muitos morados tiraram fotos do ovni.



Oficiais chineses disseram que sabiam do objeto, mas não poderiam falar sobre ele publicamente porque há uma "conexão militar" com o caso. Segundo a reportagem, é esperado que um comunicado oficial seja emitido ainda hoje".


Segundo o relatório :



"A Força Áerea dos E.U.A usaram 
"aviões espaciais hipersônico" (vulgarmente designado nos Estados Unidos como UFOS). Eles começaram á infiltração no espaço aéreo chinês, há duas semanas, com o objectivo de "aquisição" do alvo de retaliação contra os comunistas.Uma dessas missões foi em plena luz do dia e forçaram o fechamento do Hangzhou'S Xiaoshan Aeroporto"


É relatado também que os Norte Americanos e os Chineses estão em uma "colisão direta",pois os Estados Unidos anunciaram ontem, dia 20.07.2010, que sua Força Naval começaria manobras pelo Mar Amarelo. Os Chineses como resposta a essa ação, mandaram suas frotas militares se moverem rapidamente pelo mar oriental, afim de mostrar força para essa ação dos E.U.A. 



O movimento no Mar Amarelo feito pelos Estados Unidos e China não é algo novo, pois aquela área é de grande interesse para ambos. Contudo veja essa notícia: 
antinatoportugal.wordpress.com . 


Tudo que escrevi a cima não é algo que tomo como verdade. Quando recebi esses relatos, procurei ler, analisar e mesmo assim não tomo como verdade. Entretanto acho importante mostrar para as pessoas o ponto de vista de cada um, para que elas tenham a oportunidade de formarem a sua opinião. Tudo que foi mostrado pelo relatório possui uma certa lógica de fatos, mesmo que eles sejam loucuras do ponto de vista de alguns. Esses fatos, que foram mostrados através de Links dentro da postagem, fortalece a informação do "
www.whatdoesitmean.com", embora eu não ache que isso seja um fato. 

Coréia do Norte ameaça dar resposta nuclear a exercícios militares

 Exercícios militares: Será um prelúdio de uma Guerra Continental?


A Coreia do Norte ameaçou usar uma "potente dissuasão nuclear" em resposta às manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul que serão realizadas no fim de semana. A tensão com o país comunista aumentou por causa do naufrágio, em março, de um navio sul-coreano que matou 46 marinheiros. Seul acusa Pyongyang pelo afundamento do navio. Mas o governo norte-coreano nega o ataque.

Mais cedo, a Coreia do Norte havia ameaçado os Estados Unidos e a Coreia do Sul com uma "resposta física" aos exercícios navais. No Vietnã, onde participa de um fórum regional do sudeste asiático, a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton e autoridades norte-coreanas trocaram farpas sobre o incidente naval, as manobras militares e a imposição de novas sanções dos Estados Unidos contra Pyongyang.

O porta-voz da delegação norte-coreana para as conversações, Ri Tong Il, repetiu a negativa de Pyongyang sobre a responsabilidade no naufrágio do navio sul-coreano, ocorrido em março e que matou 46 marinheiros, e disse que as operações militares são uma violação de sua soberania que lembram os dias da "diplomacia das canhoneiras" do século 19.

Os exercícios serão "outra expressão da política hostil contra" a Coreia do Norte. "Haverá resposta física contra a ameaça imposta pelo Exército dos Estados Unidos", disse Ri a jornalistas em Hanói nesta sexta-feira. Hillary respondeu dizendo que os Estados Unidos desejam se reunir e negociar com Pyongyang, mas que esse tipo de ameaça só eleva as tensões. Ela acrescentou que o progresso no curso prazo parece improvável, dadas as circunstâncias.

"É desolador quando a Coreia do Norte mantém suas ameaças que causam tanta ansiedade entre seus vizinhos e na região", disse ela aos jornalistas. "Mas nós demonstraremos mais uma vez com nossos exercícios militares que os Estados Unidos mantêm seu firme apoio à defesa da Coreia do Sul e vamos continuar a fazê-lo".

Pouco antes de Ri falar, Hillary havia criticado o que qualificou como "atos beligerantes" do Norte, advertindo que o país deve reverter a "campanha de comportamento provocativo e perigoso" se quiser melhorar as relações com seus vizinhos e com os Estados Unidos. Ela disse que a estabilidade na região, particularmente na Península Coreana, depende em grande parte de convencer uma Coreia do Norte "isolada e beligerante" a alterar o curso e retornar às conversações de desarmamento nuclear.

A solução pacífica dessas questões no norte da península será possível apenas se a Coreia do Norte mudar seu comportamento de forma fundamental, disse Hillary aos representantes de dez países da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e de países com interesses na região como Estados Unidos, China, Japão, Coreia do Sul e Rússia.

Não havia sinais de que integrantes das delegações dos Estados Unidos e da Coreia do Norte se reuniriam ou mesmo se cruzariam durante o fórum anual de segurança que, no passado, foi um local para raras conversações entre os dois lados. 

PREOCUPAÇÃO NA CHINA:
A China manifestou nesta quarta-feira sua "preocupação" com os exercícios militares entre Coreia do Sul e Estados Unidos que começarão no domingo no Mar do Japão, considerando que podem agravar "as tensões regionais".

"Expressamos nossa preocupação com essas atividades", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Qin Gang, em um comunicado.

"Pedimos que todas as partes mantenham a calma e a moderação e que não façam nada que possa agravar as tensões regionais", disse.

Na terça-feira, em um comunicado conjunto, a Coreia do Sul e os Estados Unidos afirmaram que esses exercícios militares em grande escala estavam destinados a lançar "uma mensagem forte" à Coreia do Norte.

Os dois aliados, baseando-se nas conclusões de uma investigação internacional, acusaram a Coreia do Norte de ser responsável pelo naufrágio no final de março da corveta sul-coreana Cheonan, que causou a morte de 46 marinheiros.

UPDATE: COMEÇAM OS EXERCÍCIOS MILITARES!

 Os Estados Unidos e a Coreia do Sul deram início hoje a quatro dias de manobras aéreas e navais no Mar do Leste (Mar do Japão), um desdobramento militar em massa que foi ameaçado pela Coreia do Norte, informou a agência sul-coreana "Yonhap".

Os exercícios conjuntos serão realizados até a quarta-feira, com a participação do porta-aviões americano "George Washington", 20 navios de guerra, 200 aviões de combate e oito mil soldados.

O desdobramento militar dos dois aliados é uma mostra de força frente ao regime comunista da Coreia do Norte, em resposta ao naufrágio em março da corveta sul-coreana "Cheonan" perto da fronteira marítima entre as duas Coreias, que causou a morte de 46 marinheiros. O incidente foi atribuído a um torpedo norte-coreano, mas Pyongyang nega sua responsabilidade.

Segundo a agência "Yonhap", este é o maior desdobramento militar em uma manobra organizada na Coreia do Sul desde 1976, quando dois soldados americanos foram mortos por soldados norte-coreanos na localidade fronteiriça de Panmunjom.

Os exercícios serão liderados pelo "George Washington", que carrega 80 aviões a bordo, entre eles F-18, e de onde quatro militares japoneses atuarão como observadores. Aviões F-22 Raptors também participam das manobras, consideradas defensivas pela Coreia do Sul e pelos EUA.

A China, principal apoio internacional da Coreia do Norte, criticou a exibição militar no Mar do Japão, enquanto o regime norte-coreano lançou nos últimos dias duras ameaças contra os exercícios.

O órgão militar liderado pelo presidente norte-coreano, Kim Jong-il, assegurou ontem que "o Exército e o povo da Coreia do Norte contra-atacarão de forma legítima, com seu poder dissuasório nuclear" diante das manobras.

sábado, 17 de julho de 2010

Estudo acha sincronização no caos

Fonte: Agência FAPESP Sábado, 17 de julho de 2010 - 11h20

Cientistas brasileiros demonstram dualidade da sincronização de amplitude-fase em sistemas caóticos

SÃO PAULO – Estudos sobre manchas solares, fisiologia respiratória, operações financeiras, meteorologia e outras áreas tão diversas como essas poderão se beneficiar de uma pesquisa publicada no periódico Physical Review Letters.
O trabalho foi feito por cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos (SP), em cooperação com colegas das universidades japonesas de Kyoto e de Hokkaido.
Por meio de simulações numéricas, o grupo analisou a intermitência espaço-temporal, um fenômeno encontrado em fluidos, plasmas, óptica, reações químicas e biomedicina.
A demonstração da dualidade da sincronização de amplitude-fase feita pelo grupo pode ser aplicada em ciclos solares, variabilidades climáticas, plasmas de fusão termonuclear controlada, ritmos cardíacos e respiratórios, sinais sísmicos e frentes de ionização no Universo, entre outros exemplos.
A intermitência é caracterizada por uma série temporal que exibe períodos laminares que, por sua vez, são intercalados por surtos de flutuações de grandes amplitudes. Já na chamada intermitência espaço-temporal, o sistema apresenta um comportamento caótico no tempo e também no espaço. 
O grupo foi liderado pelo físico espacial Abraham Chian, do Inpe, e investigou o mecanismo físico da intermitência do tipo on-off na transição do caos temporal para o caos espaço-temporal, com base na simulação numérica de um modelo não-linear de ondas longas. Esse modelo matemático pode ser utilizado para descrever fenômenos como a evolução da onda de deriva em plasmas ou de um tsunami em um oceano.
“O avanço significativo é a demonstração da dualidade da sincronização de amplitude-fase das flutuações, o que pode ser aplicado em muitos problemas de sistemas complexos como, por exemplo, o funcionamento do coração ou flutuações da bolsa de valores”, disse Chian à Agência FAPESP.
O trabalho contou com o apoio da FAPESP por meio de um Auxílio à Pesquisa – Regular coordenado por Erico Rempel, professor do ITA, e de Bolsa de Pós-Doutorado para Rodrigo Miranda, do ITA. Yoshitaka Saiki, das universidades de Kyoto e Hokkaido, esteve no Brasil em 2006 com apoio da FAPESP.
Os três também assinam o artigo publicado na edição de 25 de junho da Physical Review Letters. O grupo também teve a participação de Michio Yamada, professor da Universidade de Kyoto, conhecido por ter desenvolvido o modelo GOY (Gledzer-Ohkitani-Yamada) de turbulência em fluidos.
O estudo promoveu também avanços metodológicos. Os pesquisadores lançaram mão tanto da representação de Fourier como a de Lyapunov para calcular as entropias espectrais de potência e de fase, bem como as médias temporais dos espectros de potência e de fase. 
Segundo Chian, a metodologia desenvolvida durante o trabalho poderá ser aplicada na resolução de uma grande variedade de problemas em sistemas físicos, biológicos, químicos e tecnológicos.
Problemas no ritmo cardíaco e crises nas bolsas de valores são exemplos de instabilidades nesses sistemas. “Quando essa instabilidade evolui para um sistema não linear, esse fenômeno caótico que analisamos aparece”, disse.
A pesquisa focou nesse ponto de transição entre o período de fluxo laminar e o turbulento. O fato de o estudo poder ser aplicado também na análise de imagens implica que poderá auxiliar estudos de manchas solares.
Chamadas de regiões solares ativas, essas manchas apresentam comportamento turbulento enquanto as regiões à sua volta atuam de maneira laminar. “Nosso trabalho poderá ajudar a entender a diferenciação das regiões solares ativas”, disse Chian.
Entender a transição de sistemas laminares para sistemas turbulentos pode ajudar também nas investigações sobre o clima, como a formação de fenômenos meteorológicos como furacões e tornados. 
A investigação atual está relacionada a outro trabalho publicado anteriormente também na Physical Review Letters.
Na época, o grupo de Chian caracterizou uma nova estrutura chamada de “selas caóticas” que ajudam a prever o comportamento de um sistema caótico e a controlar caos e turbulência em sistemas complexos.
O nome foi inspirado nas selas de montaria devido a uma característica dessas estruturas: elas são estáveis em uma direção e apresentam instabilidade nas direções transversais a essa.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Algo de estranho na América Central...

Por Myron Paterson / www.amalgamei.blogspot.com


Placas Tectônicas, mais um motivo para o deslocamento da OTAN para o Golfo do México e Costa Rica.


Ontem o Amalgamei fez duas postagens relacionadas ao Golfo do México. A primeira " Otan mobiliza tropas para o Golfo do México" , que causou um "alvoroço" em todos aqueles que estão preocupados com a questão. A segunda , que saiu no final da noite em muitos jornais, foi: " BP afirma ter conseguido conter o vazamento no Golfo" , o que foi uma boa notícia para muitos que torcem pelas melhoras do local.

Hoje dia 16 de junho de 2010 , dia seguinte a " boa noticia dada pelos jornais dominantes", uma imagem mostra que todo o Golfo do México está NEGRO. Existem evidências que a noticia de contenção dada pela BP,não passa de uma mera distração. A BP na verdade , apenas conseguiu controlar umas das saídas do gás e do óleo, e que a região afetada é uma área instável , onde houve várias rupturas no assoalho oceânico , e que é quase improvável a sua solução.

Imagem apresentada hoje 16.07.2010. Fonte : whatdoesitmean.com

A OTAN , conhecida como NATO em alguns países, deslocou tropas americanas para a Costa Rica ( América Central). Como eu disse na postagem anterior. Qual o motivo do deslocamento para a Costa Rica? O grande problema é que a grande quantidade petróleo e gás que sairam ou andam saindo , podem destabilizar uma zona sísmica já fraca , e que cientistas russos estão a culpar o vazamento pelos terremotos que atingiram a região dos Grandes Lagos( América do Norte/ Entre o Canadá e E.U.A), ao final de junho , na escala de 5.0 e outros que atingiram as Ilhas virgens e Guatemala, no último dia 8 de julho de 2010, numa escala de 4.5 e 4.7.

Os números são esses: A OTAN deslocou , para a Costa Rica , 48 lanchas, 46 navios de guerra, um porta-aviões, assim como 10 aviões, 200 helicópteros e 7 mil soldados. São esses os números dos ianques no pais da América Central. Veja em: Tropas Estadunidenses na Costa Rica : Ajuda ou invasão? . Sabe qual é o pressuposto desse deslocamento ? Ajudar o governo costa-riquenho á combater A MÁFIA DA DROGA!

Ora... Ora... O problema das drogas na América do Norte , não é de hoje! Álias é um problema de toda a América Central. Sendo que o próprio Estados Unidos se recusa a proteger sua fronteira com o México que está infestado de drogas. Esse é o presuposto usado pelo Governo dos E.U.A.

Entretanto , o que parece ser a verdadeira causa dos deslocamento , que fez o governo costa-riquenho aceitar essa ida de maneira tão " tranqüila" e a rapidez como o governo americano fez tão rápida essa ajuda benéfica ao pais latino , está no problema das placas tectônicas da América do Norte e do Caribe , que podem se deslocar devido a catástrofe ambiental no Golfo. Esse deslocamento geológico poderia causas estragos sem medidas na região. Por isso é importante ter duas frentes de ação dentro da área das placas , caso ocorra a movimentação. Podendo deslocar á população local da região

SUPER ARMA NO GOLFO DO MÉXICO E OTAN MOBILIZA TROPAS PARA O GOLFO

 OTAN mobiliza tropas para o Golfo do México.


Por Myron Paterson / www.amalgamei.blogspot.com

O "acidente" no Golfo do México da empresa petrolífera British Petroleum, que está a acontecer em proporções gigantescas não é relatada na mídia "dominante" com a proporção que deveria ter. O que recebemos dos noticiários mais populares como: "A tarde"; "Estadão"; "BBC - BRASIL" são noticias simples e que passam aos leitores a tranqüilidade de que tudo estar se resolvendo no Golfo do México.

O grande problema é que as coisas não estão se resolvendo. O vazamento de petróleo vem ocorrendo desde 20 de abril de 2010 e até hoje 15 de julho de 2010 , todas a tentativas da BP foram frustradas e o óleo continua vazando ao "livre gosto". Os últimos noticiários relataram que a BP faria uma tentativa que sanaria o vazamento "BP inicia testes com um novo mecanismo contra o vazamento" Embora essa última tentativa foi adiada por supostos "temores" que algo poderia dar errado , mas hoje a BP volta com os testes " Depois de adiamento , a BP prepara testes para fechamento de vazamento" . Além dessas "boas novas" , eles somente dizem que esse acontecimento é o pior desastre natural do E.U.A.

A grande questão é: "Será que tudo está sobre devido controle?" Acredito fielmente que não! Nessa última Terça-Feira saiu que a OTAN está a enviar 2.400 forças armadas canadenses para o Golfo do México. Essa informação vem através de relatórios que circulam no KREMLIM preparados para o primeiro ministro Russo PUTIN pela Inteligência Militar no Exterior (GRU). Afirmando que o presidente da OTAN do Comité Militar almirante Giampaolo Di Paola ordenou que essas tropas canadenses se preparassem para a implementação no Golfo.

Há noticias e evidências que o óleo já começa a atingir a costa canadense e que golfinhos, baleias estão a falecer devido a contaminação. O Almirante Giampaolo Di Paola tirou a responsabilidade do presidente Norte- Americano Barack Obama para resolver o desastre tomando o controle da situação. Há suspeitas que Barack Obama e elites do pais estão lucrando com o acontecimento"OBAMA TO EARN NEARLY $ 85 MILLION FROM GULF OIL DISASTER" .Impressionante! Se eu tenho lucro , parar?
Essas tropas mobilizadas pela OTAN estão indo também para a Costa Rica , pois é importante tem duas frentes de ação dentro do Golfo do México. Como já se sabe todas as regiões ao redor do Golfo já estão afetadas pelo vazamento. A mobilização dessas tropas é para executar o que eles estão chamando de uma "SUPER ARMA" em uma tentativa de usar uma arma com a explosão controlada para sanar o vazamento. Esta arma é conhecida como "EPFCG" e será a solução implementada para conter o vazamento.

O que é EPFCG?

"Um gerador de fluxo de compressão bombeado explosivamente (EPFCG) é um dispositivo usado para gerar uma alta potência de pulso eletromagnético através da compressão do fluxo magnético com alto explosivo.

Um EPFCG pode ser usado apenas uma vez como uma fonte de alimentação pulsada desde que o dispositivo é fisicamente destruídos durante a operação. Um pacote EPFCG que poderiam ser facilmente transportado por uma pessoa pode produzir pulsos de milhões de ampères e dezenas de terawatts, ultrapassando o poder de um relâmpago greve por ordens de magnitude.Eles exigem uma partida corrente de pulso para operar, normalmente fornecidas pelos capacitores".
Fonte: Wikipédia

Voltando aos acontecimentos...

Agora vamos parar para pensar só um pouquinho: Para que tropas militares da OTAN no Golfo? Acredito que essa " "SUPER GUN" poderá gerar complicações nunca imaginadas. A explosão da bomba com características nucleares pode gerar Tsunamis e uma série de rompimentos no assoalho oceânico. O que isso poderia ser para as pessoas e animais? Eu não sei e nem especialistas afirmam as conseqüências com o 100% de certeza. É uma experiência extremamente novíssima! Veja :" Golfo do México : a opção nuclear no furo da BP" .

Todavia , com certeza a situação não está nada bem e a idéia da utilização de uma "SUPER ARMA" é a demonstração de as coisas estão fora do controle da BP. A OTAN deve estar lá para evacuar a população de der algo errado.

Especialistas perguntam-se se a quantidade absurda de óleo que esta a forrar o oceano não é superior a capacidade de recuperação da natureza, Veja em : "How fast Will the Gulf bounce back from the BP oil spill?. Não se sabe se a quantidade abrupta de petróleo jogada no oceano é digerível pela natureza. Outra questão é o aparecimento de reações químicas no mar causadas pela grande quantidade de COREXIT 9.500 o dispersante jogado a céu e mar aberto no local do acontecimento. Veja em : " Acidente no Golfo do México - resumos dos acontecimentos - BP".

A BP e o governo Norte- Americano estão escondendo do povo estadunidense a verdade sobre o desastre , noticias e mais noticias mostram que a BP está comprando fontes de informação para diminuir o alastramento das noticias relacionadas ao Golfo e estabeleceram multas de 40.000 mil doláres para quem ultrapassar os limites estabelecidos pela Guarda Costeira dos E.U.A e a BP, que contratou seguranças para fiscalizarem a área. Eles estão tentando manipular informações e evitar que a mídia chegue perto. Veja em: "Catástrofe do Golfo : BP restringe acesso da mídia". Se tudo estivesse sob controle , com certeza não haveria necessidade de preocupação com as fontes de informação.

No momento do acidente , toda a tubulação que controlava a extração do petróleo foi destruída com a explosão , não deixando nada para a BP controlar. A grande quantidade de Metano e da substância tóxico do dispersante 9.500 são sérios ricos de contaminação e que podem causar morte da população local. No dia 13 de julho , relatórios dos E.U afirmaram que nas últimas 72 horas tropas americanas se deslocaram para as áreas afetadas , afim de ajudar a população local e criar barreiras de contenção.

O Almirante da Guarda Costeira Thad Allen , nomeado por Barack Obama , como comandante nacional responsável para lidar com a questão. Sugeriu um plano de evacuação da população local devido a esse gases tóxicos e a grande quantidade de metano. Contudo Thad Allen desistiu do cargo após saber que a mídia e os noticiários estão sendo manipulados e embargados na obtenção de informação.

O desastre é muito maior que do que falam... O óleo já chegou em Cuba "VAZAMENTO ATINGE CUBA" e a grande os grandes ventos que assolam a região e seus furacões espalham ainda mais o petróleo , chegando a áreas continentais. A quantidade gases tóxicos já causam problemas mentais na população nativa "ÓLEO NO GOLFO AFETA SAÚDE MENTAL DE NATIVOS" . A cadeia alimentar da região já está sendo afetada , aparecimento de " "Zonas Mortas" e a suspeita que o assoalho oceânico está fraturado e que não se tem possibilidade de remediação , pois a BP furou vários pontos instáveis do Golfo.

Esses acontecimentos parecem distantes de nós que estamos em Salvador e no Brasil em Geral. É problema dos outros e por enquanto é. Contudo as correntes marinhas , ventos alísios podem fazer com esse problema seja seu , meu , NOSSO! Embora o problema "seja deles" é importante conhecer e se mobilizar para espalhar notícias e informações do que realmente está acontecendo e não ficar limitado a notícias simples e muitas vezes distorcidas.

Aí vai uma leitura :

"Em uma tentativa desesperada de evitar uma grande área do fundo do mar do Golfo de ruptura, devido ao gás metano no subsolo (o que seria uma catástrofe nunca antes vista pela humanidade), a BP está rasgando uma página de ficção científica. A companhia petrolífera gigante está se preparando, para acalmar, para testar um dispositivo nuclear em uma corrida frenética contra o tempo para acabar com uma catástrofe em cascata. Se eles conseguirem, terão a capacidade de detonar um pulso gerado pela fusão controlada.

Enquanto o mundo observa atentamente a BP na sua tentativa de conter o fluxo de petróleo no local da Horizon Deepwater, funcionários da empresa estão dando luz verde a um plano de escalonamento de usar o que é conhecido como uma carga nuclear EPFCDE Se tudo mais falhar

 

sábado, 10 de julho de 2010

Tensão Argentina x Uruguai

Uruguai quer negociar controle do rio Uruguai com argentina na reunião do MERCOSUL
O governo uruguaio pretende finalizar um pacto com a Argentina sobre o controle ambiental do Rio Uruguai -- após o conflito relacionado a uma fábrica de pasta de celulose na fronteira bilateral -- na próxima reunião do Mercosul, em agosto.
   
"Estamos muito próximos de um acordo", disseram fontes do governo à imprensa local nesta sexta-feira, citando o encontro do bloco econômico que se realizará na cidade argentina de San Juan, nos dias 3 e 4 do próximo mês.
   
Uma convergência entre Buenos Aires e Montevidéu implicaria que ambos governos se aliariam para executar o monitoramento da bacia do Rio Uruguai, nas duas margens, com base em critérios científicos e com a participação de especialistas em meio ambiente do mundo acadêmico, relataram as fontes.
   
Além disso, o Uruguai pretende que o Brasil se some ao controle do rio -- pois suas nascentes estão localizadas no país --, o que já foi comentado pelo presidente José Mujica.
   
O chanceler uruguaio, Luis Almagro, declarou à imprensa local que o acordo sobre o controle da região dependeria de "aspectos técnicos e jurídicos vinculados à sentença" da Corte Internacional de Justiça, em Haia, que determinou o monitoramento conjunto.


Em sua decisão inapelável divulgada em abril, o tribunal deliberou sobre uma demanda encaminhada pela Argentina contra a instalação da fábrica de pasta de celulose UPM (ex-Botnia), construída na margem uruguaia do rio. A corte decidiu que a indústria não poluía a região, como alegado pelo país vizinho, mas admitiu o desrespeito ao Tratado do Rio Uruguai com a autorização unilateral para a edificação da empresa.
   
O ministro das Relações Exteriores argentino, Héctor Timerman, entregou a Almagro em 29 de junho, em Montevidéu, uma proposta de controle ambiental, que foi respondida pelo homólogo uruguaio na segunda-feira, em Buenos Aires. O conteúdo do texto não foi divulgado. 


domingo, 4 de julho de 2010

Tensão Turquia x Armênia x Azerbaijão: 04.07.2010


 Mapa de Armênia, Azerbaijão e Turquia, Abaixo fica o Irã e acima a Geórgia, qualquer conflito pode transformar a região em "Guerra Continental", um passo para a "Guerra Mundial"

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu neste domingo à Turquia para que dê os "passos prometidos para normalizar as relações com a Armênia", em entrevista coletiva conjunta com seu colega armênio, Edvard Nalbandian. "Cumprimentamos a decisão do presidente armênio (Serzh Sargsyan) de continuar com o processo de normalização de relações (com a Turquia) apesar de todas as dificuldades. Falando em termos esportivos, hoje a bola está no outro lado", disse Hillary.

Em abril, Sargsyan anunciou o congelamento do processo de normalização de relações diplomáticas com a Turquia após acusar o governo de Ancara de sabotar a iniciativa, mas não revogou sua assinatura nos históricos acordos feitos no ano passado na Suíça. Os acordos assinados na Suíça previam a abertura das fronteiras entre ambos os países e a criação de uma comissão para estudar o chamado genocídio armênio, que a Turquia não reconhece.




Outro dos problemas que atrapalha a normalização entre Turquia e Armênia é o conflito em Nagorno-Karabakh, um enclave de maioria de população armênia oficialmente pertencente ao Azerbaijão, mas que declarou independência de Baku unilateralmente após uma sangrenta guerra no começo da década de 1990. Em protesto pelo conflito, a Turquia, que mantém laços étnicos, culturais e estratégicos com o Azerbaijão, fechou sua fronteira com a Armênia em 1993 e congelou todas as relações com Yerevan.

A chefe da diplomacia americana chegou neste domingo à Armênia no que é a penúltima etapa de sua viagem pelo Leste Europeu e o Cáucaso Sul, que já a levou a Ucrânia, Polônia, Azerbaijão e que termina amanhã na Geórgia. Assim como fez neste domingo em Baku, a capital do Azerbaijão, Hillary ressaltou em Yerevan que os EUA condenam o uso e a ameaça do uso da força na zona do conflito pelo controle de Nagorno-Karabakh.

"Convidamos as partes a se abster do uso da força e das ameaças. Entendemos que as partes terão que dar passos complexos, mas isto é necessário para o avanço do processo de paz", afirmou Hillary.

sábado, 3 de julho de 2010

Polônia e EUA alteram acordo de defesa antimísseis 03.07.2010

País é estratégico em caso de guerra com países no leste oriental

Representantes da diplomacia polonesa e dos Estados Unidos assinaram hoje na Cracóvia a alteração do acordo, assinado há dois anos, sobre o estabelecimento na Polônia de uma base antimísseis americana.

O documento detalha que na base de Redzikowo (norte da Polônia), onde inicialmente estava previsto instalar um escudo antimísseis desenhado pela Administração de George Bush, ficará agora um sistema de plataformas de lançamento de foguetes móveis e não fixos.

A modificação do acordo foi assinada pelo vice-ministro de Exteriores polonês, Jacek Najder, e o embaixador americano em Varsóvia, Lee Feinstein, em um ato no qual estiveram presentes os chefes da diplomacia dos dois países, Radoslaw Sikorski e Hillary Clinton.

"Somos aliados, e os Estados Unidos apóiam a segurança polonesa e sua soberania", disse Hillary. 


sexta-feira, 2 de julho de 2010

Chávez pede a Obama calma para evitar conflito nuclear com Irã 02.07.2010

 O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu nesta sexta-feira ao seu homólogo americano, Barack Obama, que tenha prudência no conflito com o Irã por considerá-lo capaz de detonar uma guerra nuclear.

Obama aprovou na quinta-feira uma lei que impõe duras sanções unilaterais dos Estados Unidos a Teerã, inclusive contra o seu importante setor de combustíveis, para tentar convencer a República Islâmica a abandonar suas atividades de enriquecimento de urânio.

"Estamos muito preocupados porque os Estados Unidos, no seu empenho por dominar o Irã e recuperar o petróleo que maneja, não têm limite", afirmou Chávez, critico feroz de Washington e aliado político do Irã.

"Cuidado com uma guerra nuclear, Obama! Cuidado com uma bomba atômica! No que exploda a primeira, vem a segunda, e isso põe em perigo ainda mais não só a paz mundial, mas também a sobrevivência da espécie humana", disse ele num ato público transmitido pela TV estatal.

A Organização das Nações Unidas (ONU) e a União Europeia já impuseram suas próprias sanções ao Irã por causa das suspeitas de que o país esteja secretamente desenvolvendo armas nucleares. Teerã insiste no caráter pacífico das suas atividades, o que Chávez diz ser verdade.

Chávez contou que seu amigo e mentor Fidel Castro, presidente aposentado de Cuba, lhe enviou uma carta expressando preocupação com as tensões no Oriente Médio.

"Aqui está a carta de Fidel, punho e letra tem a ver com a grande crise que há no Oriente Médio, que Fidel esteve estudando e alertando ao mundo, o que ele considera iminente uma guerra nuclear", afirmou.

Venezuela e Estados Unidos têm relações bastante tensas, o que não impediu Chávez de dar as boas vindas ao novo embaixador americano em Caracas, Larry Palmer. 

"Obama acaba de enviar um novo embaixador à Venezuela afrodescendente, é claro, tomara que cumpra o que Obama me prometeu: 'Chávez, não sei se seremos amigos, mas pelo menos te asseguro que no meu governo não nos meteremos nas coisas internas da Venezuela'." 


Leia Mais aqui no Sempre Guerra:

Prelúdio da Guerra do Irã: 30.06.2010

Mestre Fidel Avisa: EUA provocarão duas guerras! 01.07.2010


Tensão Rússia x Japão: Disputa armada pelas Ilhas Kurilhas? 02.07.2010

 Ilhas Kurilhas da península de Kamchatka é reinvidicado pelo Japão.

A vulcânica península de Kamchatka é a região mais oriental da Rússia. Fortemente militarizada durante a União Soviética, agora a região é um centro de mineração de platina, cobre, ouro e níquel.

O remoto arquipélago das Kurilas, escassamente habitado, se estende desde o nordeste do Japão até a península Kamchatka. O Japão reivindica quatro de suas ilhas. Essa disputa territorial causa tensão nas relações com a Rússia desde a Segunda Guerra Mundial.

INVESTIMENTO PARA EVENTUAL DISPUTA
Segundo a imprensa russa, o vice-ministro russo da defesa, Vladimir Popov, teria afirmado que a aquisição por parte da marinha russa de quatro navios porta-helicópteros da classe Mistral à França, são resultado da continua pressão do Japão para reaver as Ilhas Kurilhas, que foram capturadas pela União Soviética durante a fase final da II guerra mundial, poucos dias antes da rendição do Japão.

DISPUTA COMEÇOU NO SÉCULO XVII
As confrontações entre japoneses e russos continuaram com altos ebaixos para os dois lados. Quando a esquadra russa foi esmagada pelos japoneses em Tsushima em 1905, a posição russa ficou muito fragilizada. A situação de fragilidade dos russos, aumentou depois da derrota frente aos alemães, que levou a uma humilhante rendição da Rússia que resultou posteriormente numa guerra civil. Na altura os japoneses aproveitaram para tomar não só posições nas ilhas Curilhas, como também tomaram parte da ilha Sakalina.

No final da II guerra mundial, a União Soviética aproveitou a total decadência do Japão, para retomar a parte sul da ilha Sakalina e para ocupar as ilhas Curilhas.
Até hoje, embora o Japão não reclame nenhuma parte da ilha Sakalina, continua a reclamar da ocupação russa das ilhas Curilhas, que os japoneses consideram como seu território.
O Japão tem vindo continuamente a reclamar a devolução dos territórios ocupados pelos soviéticos na sequência da II guerra mundial, e a questão tem prejudicado as relações entre os dois países desde os anos 50.

O poder naval do Japão, tem aumentado, chegando ao ponto de a marinha japonesa ser a segunda mais poderosa do Pacífico, logo a seguir à marinha dos Estados Unidos.

RUSSOS PREOCUPADOS COM SITUAÇÃO DE INFERIORIDADE:
As preocupações táticas dos russos na atualidade é a situação da esquadra russa no Pacífico, de tremenda inferioridade – não contando com sistemas de armas nucleares, cuja utilização está fora de questão contra uma potência não-nuclear como o Japão.
Os russos, estão numa situação de pré-colapso, com navios absolutamente ultrapassados e obsoletos, de valor militar mínimo, contra marinhas equipadas com sistemas dos mais modernos, como é o caso das marinhas do Japão e da Coreia do Sul, que possuem navios armados com sistemas de combate super sofisticados, construídos à volta dos radares Spy-1 norte-americanos e dos sistema integrado de combate AEGIS (Foto).

Mesmo a marinha da China, ainda que tecnologicamente menos avançada, possui navios mais modernos e com maior duração de vida, além de, por ser uma potência do Pacífico, poder concentrar num único oceano toda a sua força militar naval, possuindo por isso um numero de navios impressionante.

A comparação da esquadra russa do Pacífico com a esquadra japonesa, demonstra uma distanciação em termos de poder militar e tecnológico, que deixa a Rússia numa situação de debilidade absoluta.
Em termos convencionais, a esquadra russa do Pacífico, é neste momento a quinta classificada, depois da esquadra dos Estados Unidos, do Japão, da China e da Coreia do Sul.

CONFRONTO É IMPROVÁVEL MAS PREOCUPANTE
A possibilidade de qualquer tipo de confrontação entre japoneses e russos não é vista como real, mas os japoneses nunca deixaram de reclamar a devolução das Ilhas Kurilhas, havendo movimentos extremistas japoneses, que ainda que muito minoritários, defendem a reocupação das ilhas.

A situação de decadência da Rússia como potência militar, faz com que o país apareça como um alvo fácil, e em nenhum ramo essa decadência é tão gritante e tão evidente como no campo naval, onde exatamente como depois de 1905, a Rússia é basicamente uma potência de 2ª linha, pouco relevante em termos militares e segura apenas pelo fato de possuir armamentos nucleares, que a Rússia dificilmente poderia utilizar, pois isso teria consequências imprevisíveis.

Os objetivos russos com a aquisição de navios com as características dos porta-helicópteros franceses, poderá permitir à marinha russa o rápido envio de forças de reforço para qualquer daquelas ilhas, em caso de um improvável escalar de tensões entre os dois países.
A marinha japonesa possui oito contra-torpedeiros equipados como o sistema de combate AEGIS, três contra-torpedeiros porta-helicópteros (Fotos), 39 contra-torpedeiros mais pequenos (equivalentes a fragatas na designação europeia), uma força de 17 submarinos convencionais. O Japão lançou também recentemente um porta-helicópteros e tem outro em construção, além de operar três navios de desembarque da classe Osumi, com um deslocamento máximo de 14.000 toneladas cada um.

Os russos possuem um navio cruzador lança-mísseis, um contra-torpedeiro e alguns navios menores.

Só um detalhe: A disputa impediu que os dois países firmassem um tratado de paz desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Crise das Malvinas 02.07.2010

 Prelúdio de uma nova guerra nas Malvinas?

Irritada com a prospecção de petróleo em águas das ilhas Malvinas, a Argentina tenta estrangular o comércio marítimo do arquipélago e enfrenta uma das piores crises na relação com o Reino Unido desde 1982, quando a disputa pelo território levou os dois países à guerra.

A tensão aumentou após a chegada de uma plataforma petrolífera, que realiza perfurações para três empresas britânicas desde fevereiro.

O contragolpe da presidente Cristina Kirchner foi um decreto que dificulta o acesso às ilhas. Nenhuma embarcação pode navegar por águas argentinas ou usar portos do país em transações comerciais com as Malvinas sem autorização prévia.

A norma vai contra as leis marítimas da ONU e é uma tentativa de "bagunçar" o comércio exterior do arquipélago, segundo Glenn Ross, membro da Assembleia Legislativa das ilhas Malvinas.

"É óbvio que a intenção é destruir nossa economia. Gostaríamos muito que as relações com a América Latina aumentassem", diz.

A medida atinge ainda os cruzeiros marítimos, que costumam incluir as Malvinas em roteiros. Cerca de 60% do PIB das ilhas vem do turismo e da exportação de pescado, lã e carne de cordeiro.

O vice-chanceler argentino, Victorio Taccetti, diz que o decreto é um instrumento de defesa legítimo diante dos investimentos britânicos na prospecção de petróleo, que ele qualifica de "nova agressão" por explorar áreas disputadas no âmbito da ONU.

Questionado se esse é o pior momento na relação com o Reino Unido desde a guerra, ele disse que "não é um momento de harmonia".

Reino Unido e Argentina irão expor novamente seus argumentos no Comitê de Descolonização da ONU, que desde 1965 pede para que os países negociem.


SOBERANIA

O Reino Unido invoca o princípio da autodeterminação dos povos para não sentar-se à mesa. Diz que não abre mão da soberania enquanto os habitantes do arquipélago estiverem contentes com a situação atual.

Para a Argentina, o argumento é inválido porque os habitantes da ilha não são uma "população legítima".

Ele diz que o país só vai negociar sobre as condições de vida dos 2.500 habitantes e sobre os recursos naturais depois que Londres reconhecer a soberania argentina.

"O governo argentino briga por sua conta"


Assista ao Documentário feito em 2009/2010 sobre a nova crise.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...